Untitled

Eu a amei
Ela me abandonou na primeira dificuldade
Me dizimou de sua vida superficial

Eu sofro
E choro, por não poder estar lá
Ao seu lado

“Estou cansado de ser vilipendiado, incompreendido e descartado
Quem diz que me entende nunca quis saber
Aquele menino foi internado numa clínica
Dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças
Dos sonhos que se configuram tristes e inertes
Como uma ampulheta imóvel, não se mexe, não se move, não trabalha.”
— Legião Urbana

Este amor incondicional esta me enlouquecendo
Fale comigo
É minha única esperança

Uma adaga em meu peito seria menos doloroso que o seu silêncio

Eu me contorço e grito seu nome
Te suplico, não me deixe
Eu te amo tanto

E eu estou enlouquecendo
As lágrimas me escapam
Meu rosto está arranhado
Meus braços estão roxos
Desculpe, mas eu precisava descontar em algo

Sobre amar

Eu pensei que o tempo havia me deixado oco, vazio, frio e insensível. Eu cheguei a pensar que a palavra ‘amor’ no dicionário era uma palavra inventada pela sociedade apenas para tirar suspiros de um público cheio de expectativas frustadas. Eu cheguei imaginar que você não existia. Que você era um sonho… Uma imaginação mirabolante e bem bolada. Até que te conheci. E descobri que odeio o dicionário. Por que ele não define nem mesmo uma pequenina parte do sentimento amor. Descobri que você encheu o oco em mim, esquentou o que havia esfriado, ocupou o que esteve vazio, e sensibilizou o meu lado insensível. Descobri que você era melhor do que nos sonhos. Descobri que minha até então criativa imaginação era escassa e fraca, pois você era muito mais do que eu esperava!

Não sei mais
Um dia é tudo
Noutro nada
Algumas coisas doem
E algumas feridas são realmente profundas demais para cicatrizar
Não sei se vou superar
Foi rápido, mas foi sincero
Não quero te perder
Eu te amo e isso é tudo para mim
Não peço amor em troca
Apenas a sua presença
Você é minha razão, e para mim isso é muito

Eu costumo AMAR demais, e isso MACHUCA